• Com Cidália Ribeiro rentabilize o seu dinheiro.

Compare Listings

Preços das casas empurram jovens para fora de Lisboa

Preços das casas empurram jovens para fora de Lisboa

Explosão do alojamento local aliado à insuficiência de casas no mercado está a afastar muitos moradores para os concelhos vizinhos da capital. Mas até aí os preços já são proibitivos. Solução pode passar por mais construção. Câmaras tentam mitigar problema com programas para jovens e para a classe média

Quando, “há quatro ou cinco anos”, Alexandra Martins e João Figueiredo conseguiram arrendar um T1 por 320 euros mensais em Alcântara, Lisboa, já sabiam que tinham tido sorte. O pior foi quando, no inverno de 2016, se viram obrigados, por razões de segurança, a mudar de casa e encontraram preços proibitivos até em freguesias periféricas do concelho.

“Procurámos por todo o lado, mas até na Pontinha [Odivelas] e em Alfornelos [Amadora] já pediam 700 euros”, desabafa a funcionária de um call center. Até que um amigo a avisou de que, na Brandoa, também no município da Amadora, havia um T2 disponível. Desde então que o casal, com um rendimento médio de 1400 euros mensais, paga 400 euros/mês pela sua habitação – um valor que, hoje, é considerado baixo, mesmo para a Brandoa, localizada, tal como a Pontinha e Alfornelos, às portas de Lisboa. “Está tudo a encarecer”, frisa Alexandra, de 42 anos, precisando que, agora, já há quem peça 500 euros de renda por um apartamento igual ao seu e 200 mil para vender um T2.

O caso é paradigmático do efeito dominó que a subida dos preços da habitação na capital está a ter nos concelhos limítrofes, criando dificuldades acrescidas para quem quer comprar ou arrendar casa. Se em Lisboa, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o preço do metro quadrado na venda de apartamentos destinados a alojamento familiar subiu, entre os primeiros trimestres de 2016 e de 2018, de 1875 para 2581 euros, na Amadora, a variação foi de 827 para 1063 euros – uma tendência que, com maior ou menor intensidade, é comum aos municípios da Grande Lisboa mais próximos da cidade. E se as causas para essa dinâmica são complexas, há uma combinação que aparenta ser fatal: o crescimento do setor do alojamento local a par da inexistência no mercado de casas suficientes para dar resposta ao aumento de procura gerado, em parte, por essa mesma atividade.

O processo é explicado por Cidália Ribeiro, agente imobiliária na KW Portugal e há anos a trabalhar o mercado de Cascais, bastante turístico: com o incremento, no concelho, da procura de imóveis passíveis de ser afetos a alojamento local, o número de prédios e moradias já existente torna-se insuficiente, com o consequente aumento dos preços. Os habitantes deixam então “de conseguir comprar casa nas zonas mais povoadas”, deslocando-se para áreas mais afastadas dos centros, que, por sua vez, dado o aumento da procura, começam a ter também “escassez” de habitações, com a consequente subida dos valores.

Segundo dados fornecidos pela Câmara Municipal de Cascais, só entre janeiro e meados de julho deste ano foi comunicada à autarquia a abertura de 523 espaços destinados a alojamento local – mais 71 do que em todo o ano de 2017. Outros quatro municípios registam, desde 2015, um crescimento contínuo, embora menos acentuado, deste setor, incluindo três marcadamente habitacionais: Amadora, Loures e Odivelas.

O resultado é um efeito dominó no custo da habitação. “Em Odivelas, está a acontecer isso há já algum tempo. Entretanto, passa para Loures e, depois, um pouco mais para cima – Lousa, Venda do Pinheiro, Mafra. O que é que se nota nestas zonas? Que já há um aumento dos valores, mas ainda não tão visível como aqui para baixo”, descreve Cidália Ribeiro.

“É o mercado a funcionar”, sintetiza o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP), reconhecendo que está a ocorrer “um regresso à periferia”, fruto quer dos preços solicitados quer do “esgotamento do stock” de casas disponíveis para arrendar ou comprar. Luís Lima acredita, por isso, que a solução passa, precisamente, pela “renovação do stock nas cidades”, pensando no cidadão comum. “A maioria da habitação que está a ser construída não é para os jovens e para a classe média”, sublinha.

Certo é que o setor não está parado. De acordo com os dados disponibilizados pelas câmaras municipais de Amadora, Cascais, Loures, Odivelas, Oeiras e Sintra – a de Lisboa não respondeu a este ponto -, desde 2015 que tem existido um crescimento do número de projetos licenciados, alguns dos quais pré-crise.

Mais heterogéneo é o modo como as autarquias estão a tentar encontrar soluções para quem não tem rendimentos suficientemente baixos para aceder à habitação social nem suficientemente altos para arrendar uma casa no mercado livre. Se a Amadora concentra ainda os “esforços na erradicação dos bairros degradados do concelho” e Loures e Odivelas não têm, por agora, previsto qualquer programa específico, Lisboa atribuiu, desde 2013, mais de 300 habitações a preços acessíveis no âmbito do Renda Convencionada, uma iniciativa que inclui a reabilitação de património municipal. Está igualmente em curso o programa que prevê a disponibilização, nos próximos anos, de “cerca de 6500 fogos, construídos de raiz ou resultado da readaptação e reabilitação de edifícios”.

Em Sintra, foram atribuídas, no ano passado, 12 das 100 habitações que, até 2020, a autarquia pretende arrendar a jovens nos centros históricos do concelho, enquanto em Oeiras estão “em andamento” os processos de 139 fogos destinados a segmentos diversos, a acrescentar às 156 habitações adquiridas, a pensar nos jovens, “em prédios a recuperar no centro histórico”. Já Cascais garante, sem detalhar, que está “a trabalhar num ambicioso programa que mudará o paradigma da habitação”.

Números que, ainda assim, poderão ser insuficientes. Em Sintra, foram 400 os candidatos às 12 casas colocadas em concurso e, em Lisboa, na edição mais recente do Renda Convencionada, houve apartamentos com mais de 900 interessados. Em ambos, a atribuição é feita por sorteio. Alexandra e João estão atentos e concorrem sempre que podem, mas falta confiança na sua sorte: “Há muita gente a concorrer…”

Privilegiados. É assim que Inês Amorim e Tiago Serrano, de 26 e 24 anos, se sentem por, há cerca de 10 meses, residirem no Centro Histórico de Sintra, onde nunca pensaram que iriam conseguir morar. O impensável começou a ganhar forma há mais de um ano, quando o casal se apercebeu de que a Câmara Municipal lançara um concurso destinado a jovens para 12 habitações localizadas nos núcleos mais antigos do concelho, entre os quais o da própria vila.

“Tínhamos arranjado os dois trabalho há pouco tempo e estávamos a pensar sair de casa dos nossos pais e ir viver juntos. Pensámos que, se conseguíssemos uma casa, seria uma boa ajuda”, conta a jovem, rececionista numa casa de hóspedes. Vive, por isso, do turismo, tal como Tiago, team leader de uma equipa ligada à plataforma de arrendamento temporário Airbnb – uma coincidência que deixa o casal numa posição muito particular.

Afinal, embora sejam os primeiros a reconhecer a importância do setor para a sua independência financeira, não esquecem os aspetos negativos a ele associados, como a transformação dos centros históricos, nas palavras de Tiago, em locais “não autênticos”, fruto da proliferação do alojamento local. Além disso, acrescenta Inês, “pode ser um pouco desgastante” viver numa zona com tantos turistas. Mesmo que, por vezes, seja o próprio casal a importunar com o seu barulho, a par do das restantes três famílias jovens que conseguiram também casa junto à estação ferroviária de Sintra, os seus vizinhos mais idosos. Sem que tal represente, porém, um problema. “A rua está diferente. Os próprios idosos dizem que há vida, que o barulho até é bom”, garante o jovem.

Mais difícil é falar do futuro, até porque, segundo as condições do concurso promovido pela Autarquia, não poderão permanecer por mais de cinco anos no apartamento que lhes foi atribuído. “É viver um dia de cada vez”, diz Inês. Certo, conclui Tiago, é que não sairão do concelho, onde ambos já residiam. Por várias razões, incluindo os preços e a azáfama, viver na capital nunca foi uma opção para este jovem casal no início de vida.

Fonte: DN

Publicações relacionadas

Rendas devem aumentar 1,15% em 2019

O INE publicou esta sexta-feira o valor médio da inflação em agosto, descontando a habitação,...

Continuar a ler
por Cidália Ribeiro

O truque simples para poupar 200 euros por mês

O truque simples de poupar 200€ mês Para isso precisa de um caderno em branco, determinação...

Continuar a ler
por Cidália Ribeiro

Estudo alemão alerta para novos riscos de bolha especulativa no imobiliário em Portugal

Subida acentuada dos preços e rendas no mercado imobiliário nos últimos dois anos faz regressar...

Continuar a ler
por Cidália Ribeiro

Juntar-se À Discussão